segunda-feira, 2 de junho de 2008

Eventos iguais e "repetíveis"

Tudo observo
Nada vejo
Mas antes o nada ao
de tudo repetidor sem desejo.

O papagaio em seu paletó
finge que contempla a presença
dos escuros que se vão sem dó

Por que o faz?

Será que tudo o que exprime
tem valor?
Agindo de boa(?) fé, vejo no profeta

um gravador.

2 comentários:

J. Le Fay disse...

Queimei metade dos meus neurônios mas só consigo uma interpretação para isso.

Não estou tão mal, vc ainda não entendeu o meu também.

Há.

J. Le Fay disse...

Tudo agora é tão mais CLARO.